EM FOCO: Percepções sobre as vendas no dia das mães 2019

Artigo de Agusto Aki

Passada a data mais tradicional do ano para flores, podemos contabilizar vários aprendizados que merecem reflexão para a estratégia futura dos negócios:

- As primeiras notícias dão conta de que a venda foi boa, para quem soube se promover melhor (lembrando que hoje é o dia seguinte do dia das mães e estou baseando essa análise nos comentários trocados com seguidores);

- Algo que parecia impensável vem se concretizando – as flores não são mais o presente para o Dia das Mães, e sim, a surpresa! Ou seja, de algum presente e surpreenda com flores!

- 30% das mães atualmente criam seus filhos sozinhas e assim, opções de presentes mais baratos, para que adolescentes ou filhos pequenos (ajudados por algum tio/tia) possam comprar para essas mães independentes, apresenta-se como um novo nicho de mercado;

- Muitas pessoas fazendo suas compras do dia das mães em dinheiro e não com cartão! Isso se deve a problemas de crédito, que afetam muitas pessoas. Assim, se no passado a venda parcelada no cartão era um chamativo, hoje, a venda à vista com desconto pode ser um novo atrativo;

- As lojas que souberam usar melhor as mídias sociais tiveram vantagens. Isso não significa apenas promover produtos (fotos de ofertas, como a maioria fez), mas criar interações – lives, stories, pré cadastramento x brindes etc;

- As lojas usaram muito o WhatsApp no atendimento. As vendas em geral acontecem nos últimos 3 dias da data e o WhatsApp se apresenta como ferramenta eficaz de atendimento, porém, a quase totalidade das lojas não estava preparada para esse atendimento e ele teve que ser “suspenso” nos últimos dias (somente respostas gerais). Um planejamento melhor para esses picos se tornará um diferencial importante;

- As pessoas querem “causar” – assim, não basta apostar na beleza das flores. Temos que prezar pelo impacto, ou através da ousadia floral ou pela combinação inusitada de flores + itens exclusivos (que podem ser inclusive ingressos para evento especiais de teatro, cinema etc);

- Uma outra oportunidade pouco explorada foi enxergar o almoço de domingo como nicho de mercado. Ao invés de vender flores, vender arranjo para o almoço de domingo;

- Os consumidores apontam que gostam de fazer a pesquisa dos produtos de maneira digital, mas que optam pela compra presencial. Por isso as lojas precisam ter uma estratégia que contemple esses dois universos (ser atrativo no relacionamento digital e eficiente no atendimento presencial);

- As lojas ainda não despertaram para a importância dos cadastros. Já comentamos que o WhatsApp é uma ferramenta completa para a venda (inclusive para pagamento) e por isso o cadastro é fundamental na nova fase que essa mudança de mecanismo proporcionará;

- Um dado interessante foi que cerca de 1/3 dos clientes pretendiam comprar 2 presentes para a data e para minha surpresa, as presenteadas eram a mãe e a sogra (não a esposa). As lojas podem pensar em ações para estimular um segundo presente na mesma compra, através de desconto progressivo;

- A criação customizada de presentes, como terrários e arranjos de suculentas, em datas de movimento secundário, como dia da vovó, dia dos pais e outros, se apresenta como uma boa oportunidade.