Intenção do empresário em investir e contratar aumenta em novembro

De acordo com a FecomercioSP, o Índice de Expansão do Comércio apontou alta de 6,5%

São Paulo, 30 de novembro de 2018 – Após recuperação tímida em setembro e outubro, o Índice de Expansão do Comércio (IEC), calculado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), apontou alta de 6,5% em novembro, passando de 94,8 pontos em outubro para os atuais 101,0. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o indicador também apontou alta (1,6%) depois de retração por duas vezes seguidas.

 
Os dois indicadores que compõem o IEC subiram em novembro. A propensão do empresário a investir aumentou 6,4% em relação a outubro, passando de 77,4 para 82,4 pontos no mês atual. Em comparação com novembro de 2017 , quando apresentava 78,7 pontos, obteve alta de 4,7%.
 
O item que mede a expectativa de novas contratações subiu 6,6% na mesma base de comparação, com 119,5 pontos em novembro, ante os 112,1 pontos em outubro. Entretanto, de acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, se confrontado com o mesmo mês do ano passado, o índice sofreu leve baixa de 0,5%, quando apresentou 120,1 pontos.
 
Ainda segundo a Federação, o indicador de expansão, assim como outros de confiança, começa a dar indícios mais fortes de melhoria e apresenta um momento de retomada após muitos meses de vai e volta, desde o impeachment, em 2016. Contudo, o País precisa entrar em um processo de recuperação mais profundo e evidente, que só pode ser alcançado com o fim das fortes incertezas sobre a política econômica a ser implementada a partir de 2019.
 
Nota metodológica
O Índice de Expansão do Comércio (IEC) é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde junho de 2011, com dados de cerca de 600 empresários. O indicador vai de zero a 200 pontos, representando, respectivamente, desinteresse e interesse absolutos em expansão de seus negócios. A análise dos dados identifica a perspectiva dos empresários do comércio em relação a contratações, compra de máquinas ou equipamentos e abertura de novas lojas. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

Fonte: FecomercioSP