Evento em Caldas da Rainha (PT) conclui que para empreender tem que saber adaptar-se e ser criativo

Comemorações do Dia Internacional da Mulher

Três empresárias caldenses consideram que “um empreendedor tem de saber adaptar-se às mudanças e ser criativo”

No âmbito das comemorações do Dia Internacional da Mulher, realizou-se pelo terceiro ano consecutivo, no passado sábado à tarde, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, o debate sobre o “Empreendedorismo no Feminino”. Desta vez, as protagonistas foram Hélia Silva, proprietária da florista Hélia Arte Floral, Isa Nobre, proprietária das Gramas com Sabor, e Teresa Henriques, cake designer, que destacaram que o “mundo do empreendedorismo é saber adaptarmo-nos às mudanças e sermos muito criativos”. 
Foi um fim de tarde animado, que começou com a inauguração da exposição “Projecto Um – Padrões e Transparências”, da autoria do fotojornalista Carlos Barroso, e onde várias mulheres foram retratadas em vários locais da região. 
As oradoras têm uma caraterística comum, a “paixão pelo que fazem, a criatividade e a perseverança”, sublinhou a bibliotecária Aida Horta, antes de passar a palavra às três empresárias. 
Todas explicaram o seu percurso profissional, salientando a importância de cada uma ser empreendedora na sua área. 
A trabalhar no mercado floral desde 1995, Hélia Silva, proprietária da florista Hélia Arte Floral, explicou que nem todos estes anos foram um “mar de rosas”, pois “sobreviver hoje em dia no comércio tradicional é muito difícil”. Nesse sentido, além de florista, a Hélia Arte Floral estende a sua criatividade a serviços como casamentos, despedidas de solteiros, batizados e a todo o tipo de eventos. 
Para a florista, “um empreendedor tem que saber munir-se de todas as ferramentas e recursos que existem, e adaptá-los aos seus negócios”. Aliás, frisou que “hoje em dia não preciso de ter ninguém a atender na loja, mas sim de alguém que esteja atento aos e-mails e às redes sociais”, pois “a maioria dos clientes que temos hoje chegam pelo telefone”.
Na sua opinião, “temos que evoluir e ser flexível às mudanças, pois estas podem ser oportunidades de negócios”. 

“Um empreendedor se não tiver sonhos, não é um empreendedor”

Outra das convidadas foi Isa Nobre, proprietária da empresa “Gramas com Sabor” juntamente com o seu marido, Tiago Ferreira, que há cinco anos decidiram “meter literalmente as mãos na massa e começar a reinventar as iguarias”. Isa Nobre, licenciada em Artes Gráficas, encarrega-se de fazer a parte da comunicação/marketing com os clientes.
Começaram por vender na Praça da Fruta, “a nossa loja” e em outros mercados nas Caldas da Rainha, até que recentemente abriram um novo espaço físico na cidade. Desde as empadas às bolachas, “todos os nossos produtos são confecionados de forma artesanal, reinventando sabores do antigamente para gentes de hoje”, sublinhou Isa Nobre.
Além dos produtos, a empresa começou a apostar nas redes sociais e no blogue, o que permitiu em apenas oito meses um acréscimo no número de vendas e não só. “Começámos a ser conhecidos e a ter uma relação mais próxima com o cliente”, afirmou Isa Nobre. 
Igualmente apostaram na “diferença e na criação de algo de valor”, pois “o mundo do empreendedorismo é adaptarmo-nos às mudanças e sermos muito criativos”. 
“Não podemos parar de inovar e de encarar os obstáculos, sendo um sentimento que todos os empreendedores devem ter”, disse. 
Teresa Henriques, cake designer e coordenadora pedagógica da Academia Profissional de Cake Design, foi outras das convidadas para a conversa. Com um currículo vasto na área do cake design, Teresa Henriques também é formadora oficial de cake design de empresas de renome como Sodifer, Dekor e Prodite Zeelandia e dá formação em todo o país e no estrangeiro e ainda conta com dois livros editados na área do cake design, “Doces momentos” lançado em março de 2012 e “Great moments” lançado em setembro de 2013. 
Além da formação, Teresa Henriques continua a confecionar bolos para fora. “Adoro fazer bolos e atender os clientes, é a melhor coisa ver o sorriso da criança ou das noivas”, salientou a cake designer. 
Para a coordenadora pedagógica, “empreendedorismo é não ter medo e ir à luta pelos sonhos”, utilizando sempre os novos recursos, como é o caso das redes sociais e os diretos, que “acabam por promover os bolos, o nosso trabalho e a nós próprios”.
A conversa contou com a participação da vereadora da Ação Social, Conceição Pereira que caracterizou as convidadas como “três excelentes exemplos de alguém que soube ir à luta, e tem esta capacidade empreendedora e quer ir mais longe”. 
Além desta atividade, o Município das Caldas da Rainha organizou outras acções de forma a exaltar a importante simbologia desta data, como uma atuação da ‘Orquestra Ligeira Monte Olivett’ – com formação Big Band- no Museu Leopoldo de Almeida e uma ação de rua, onde houve oferta de flores e frases alusivas a esta data.