Pequenos varejistas venderam quase cinco vezes mais durante a Black Friday

  Os pequenos lojistas brasileiros que comercializam seus produtos via marketplace multiplicaram as vendas em quase cinco vezes durante a última Black Friday – tradicional data de promoções realizada em novembro – em relação a uma sexta-feira convencional. É o que aponta um balanço feito pelo Olist, que reúne micro e pequenos vendedores em marketplaces dentro de grandes varejistas, com base no desempenho de seus mais de 2.500 lojistas clientes.

Além do crescimento comparado de 360% nas vendas, os descontos concedidos também alcançaram porcentagens acima das expectativas, chegando à casa dos 80% em produtos selecionados. O Olist detectou, ainda, três horários de picos de vendas: da 00h à 01h, das 12h às 14h, e das 23h às 23h59. Os três picos somaram 40% das vendas da data.

Outra constatação do levantamento é de que a Black Friday contribuiu tanto para a venda dos produtos mais caros, com ticket acima dos R$ 1.000,00, quanto para produtos com ticket médio mais baixo. Entre os itens mais vendidos pelos varejistas do Olist estão luminárias, materiais de limpeza, materiais de beleza e também os produtos de cama, mesa e banho.

Para Tiago Dalvi, CEO do Olist, a possibilidade de vender dentro dos marketplaces contribuiu para democratizar a Black Friday, que também passou a representar uma grande oportunidade para os pequenos vendedores. “Essa é uma oportunidade de vender em diferentes canais que já contam com grande credibilidade no mercado, por uma modalidade que já vem potencializando as receitas dos pequenos e médios vendedores durante todo o ano. Os dados da Black Friday em 2017 refletem o amadurecimento do conceito de marketplace de maneira geral”, afirma.

Dalvi indica ainda que as previsões para o setor são positivas para a próxima temporada de compras, que acontece agora no final do ano. “Novidades deste ano, como a expansão das operações virtuais do Magazine Luiza e a estreia do marketplace Amazon, maior varejista do planeta, devem alavancar ainda mais as vendas de final de ano dos pequenos”, finaliza.

Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o período de ofertas movimentou mais de R$ 2,5 bilhões em todo o Brasil, o que representa uma adição de 18% no volume de compras se comparados aos números registrados durante o período de 2016.