Quem disse que o inverno não é feito de flores?

Estação marcada por queda de folhas e tempo seco também tem seu lado colorido; espécies que florescem no inverno dão cores aos bairros de Bauru

Dais frios, com tempos secos e marcados por queda de folhas. O inverno é imaginado por muita gente como uma estação cinzenta, sem cores e flores. Mas no Brasil e especificamente na região de Bauru essa realidade não se aplica. Por aqui, a transição entre os climas tropical e temperado do sul favorecem o florescimento e frutificação de várias espécies nativas ou não.

E não é preciso ir longe para constatar que muitas plantas têm no inverno a sua primavera em Bauru. Basta observar a exuberância de árvores como o ipê-roxo, o manacá-da-serra e pata-de-vaca, muito comuns no cenário urbano, e que estão em sua plena florada colorindo as principais avenidas e ruas da cidade.

Em jardins e quintais em bairros variados, moradores exibem o florido de suas plantas de cultivo como as rosas, as azaleias, as primaveras, roxa e rosa, entre outras (leia mais nas próximas páginas).

"Na primavera, realmente temos uma maior quantidade de espécies florescendo, mas isso não significa que ela é a estação das flores, porque em todas as épocas do ano isso acontece, inclusive no inverno", fecha questão Osmar Cavassan, professor de Ecologia da Faculdade de Ciência da Unesp de Bauru.

Cultura importada

Segundo ele, a ideia de que o inverno é cinzento no Brasil é comum pelo fato de termos uma "cultura climática importada" dos países temperados, como Estados Unidos e Canadá, onde as quatro estações do ano são bem definidas e distintas umas da outras.

"Lá, todas as folhas caem no inverno, com exceção dos pinheiros e, na primavera, todas brotam e florescem. Aqui no Brasil, mais especificamente na nossa região, temos plantas que precisam do frio para florescer, como é o caso do ipê-roxo. É diferente do que ocorre na América do Norte", reforça Cavassan.

Período de dormência

Contudo, a menor oferta de água, luz e calor proporcionada durante essa estação gelada, que é marcada por dias mais curtos e noites mais longas, faz com que as plantas cresçam menos. Algumas, inclusive, entram em um estado de dormência nesta época.

"É diferente do Nordeste, por exemplo, onde o inverno significa chuva, ou seja, as plantas crescem mais", diferencia o professor de Ecologia.

Deve ser considerado ainda o fato de que nem todas as plantas florescem todos os anos. E apesar de a maioria das plantas nativas produzirem flores e frutos, "nem toda flor é majestosa e nem todo fruto é comestível", detalha Cavassan.

Rosa e branco predominam no tom da estação

As espécies de árvores que florescem nesta época e são utilizadas em peso na arborização de Bauru possuem os tons rosa e branco. O ipê-roxo, por exemplo, que possui as flores rosa, pode ser encontrado em vários pontos da cidade, como na avenida Getúlio Vargas, na avenida Nações Unidas, e em praças no Núcleo Geisel, Jardim Bela Vista, Parque Vista Alegre, Mary Dota, Jardim Colonial, Jardim Europa, no Jardim Jussara, entre outros.

Também bastante comum, a árvore pata-de-vaca, com flores brancas, também pode ser encontrada em calçadas nos mesmos bairros citados.

Inverno: o que cultivar e como

Estação tem espécies próprias de flores e árvores; no cultivo, plantas devem receber cuidados específicos para evitar proliferação de parasitas

Com os dias tomados por temperaturas mais frias, a evaporação da água diminui e, consequentemente, as regas precisam ser reduzidas. Além disso, diferentemente do que acontece no verão, o melhor horário para aguar as plantas de cultivo é pela manhã, já que assim dá tempo de o líquido ser absorvido antes da noite, período em que ocorre queda de temperatura.

"Esse tipo de atitude, além de evitar a proliferações de fungos e bactérias pela exposição prolongada ao úmido, ainda ajuda a tirar resquícios de sereno ou geadas, impossibilitando a queima das pétalas", orienta Lourdes Penteado, responsável pelo Viveiro Municipal.

Lourdes sugere ainda outras dicas de cultivo que podem ajudar a manter as plantas saudáveis, sejam espécies da estação ou não (veja mais no quadro abaixo).

Em tempo: durante o inverno, as espécies nativas dispensam cuidados, a não ser na fase de produção de mudas, segundo o professor de Ecologia Osmar Cavassan.

Específicas do inverno

As espécies de plantas adaptadas ao frio possuem maneiras de criar algo parecido com uma "bolsa de ar" em seu exterior, que serve para aguentar uma maior formação de gelo intracelular.

Os vegetais possuem 80% de seu peso constituído por água, elemento que influencia o crescimento, desenvolvimento e reprodução das plantas. Baixas temperaturas aliadas a ventos, no entanto, fazem com que este fluido possa até congelar, afetando as células das plantas.

Geralmente, as folhas destas espécies adaptadas ao inverno contam com uma menor área de exposição.

Abaixo, seguem listadas algumas sugestões de flores e espécies de árvores que possuem sua florada nesta estação.

Árvores e arbustos

 

Segundo o professor Osmar Cavassan, a melhor época para o plantio de essências lenhosas, as árvores e arbustos, é na primavera, “quando a temperatura, luminosidade e, principalmente a umidade, aumentam, condições favoráveis para o desenvolvimento da planta em sua fase jovem”.

Você sabia?

Por serem de origem mediterrânea, as plantas comestíveis, herbáceas e folhosas têm o período de plantio mais indicado no outono e inverno, por causa das temperaturas mais amenas e chuvas escassas. Ou seja, está em tempo de iniciar sua horta caseira! A alface, a rúcula, o repolho e outras hortaliças precisam de sol diário e simples cuidados de irrigação, no início do dia, e adubação para crescerem saudáveis.

Outras espécies que florescem nesta época

O cerrado em Bauru é predominantemente localizado na região da Unesp. A cidade também apresenta fragmentos de mata atlântica nas regiões do Bela Vista e do Aeroporto Moussa Tobias. No cerrado, as espécies que florescem no inverno são os ipês-amarelos, sucupira-preta com flores azuladas, pata-de-vaca, pequi e araçá, aponta o professor de Ecologia Osmar Cavassan. Já nas matas, destacam-se as erythrinas, também conhecidas como suinã, encontradas em regiões de vales e em solos úmidos, além dos ipês-roxos e as jabuticabas. Muitas orquídeas nativas na região, como as Laelias e Catteleyas, também florescem no inverno.

Paixão pela natureza vai além do frio

Moradoras contam rotina de dedicação às flores e plantas, sejam da estação ou não, e que requer mais cuidados no frio

Aos 80 anos, a aposentada Antônia Faria não mede esforços quando o assunto é cuidar de jardim, seja de sua casa, no Parque Vista Alegre, ou da chácara da família. Apaixonada por flores desde a infância, principalmente por rosas, a idosa faz questão de acordar cedo e enfrentar o friozinho de inverno, quase todos os dias, para aguar suas plantas. E tudo por um único motivo: vê-las florescendo saudáveis e exuberantes.

Uma das mais queridas por ela, a rosa de cor rosa, floresceu nos últimos dias. "Faço a poda sempre na data correta para que ela possa florescer no inverno. Acrescentar fósforo também dá uma ajudinha", comenta a moradora da alameda das Crisandálias.

Jardim  no Geisel

Do outro lado da cidade, no Núcleo Geisel, mais uma história de paixão pelas plantas. Maria Helena Gomes Pereira, de 70 anos, se aposentou nos últimos meses e decidiu investir parte do seu tempo livre na construção de um jardim em uma praça pública, que fica entre a rua dos Abacateiros e rua dos Cajueiros. Mesmo em dias de muito calor ou frio, de chuva ou muito sol, ela sempre vai ao local com um único propósito: fiscalizar se as plantas não foram alvo de vândalos e aguá-las para que continuem crescendo.

Nas últimas semanas, com a chegada do inverno, a atenção aumentou. Para proteger as plantas do frio, Mara Helena junta as folhas e cobre o solo ao redor das plantações quase todos os dias.

"Isto ajuda as que ainda são jovens a se protegerem do frio", ensina. "Assim que o inverno passar, pretendo plantar umas flores por aqui. Inclusive as que florescem neste época, como a orquídea branca, que é linda", comenta a aposentada, mostrando o vaso de orquídea branca que cultiva em casa e que pretende replantar no local.

Necessidade

Além da paixão, Maria Helena conta que a iniciativa do jardim surgiu da necessidade de conter enxurradas que desciam pela praça e alagavam quintais de residências próximas, inclusive o dela. "Plantei primeiro as espadas-de-são-jorge, para conter a água que descia. E, depois, acabei animando e fui trazendo as outras", detalha a moradora.

Árvores que frutificam no inverno em Bauru

Enquanto algumas árvores florescem, outras frutificam no inverno, como é o caso de maracujazeiros, dos caquizeiros, caramboleiras e até dos limoeiros e das laranjeiras. Algumas dessas espécies são cultivadas em zona urbana por moradores da cidade.

Comuns na região do cerrado do município, outras espécies como o barbatimão, cujo fruto é um vagem seca e não serve para alimentação humana, a cereja-do-cerrado, a mangaba e a pimenta-de-macaco também frutificam durante o inverno, segundo o professor de Ecologia Osmar Cavssan.

Nas matas ciliares encharcadas, o palmito-juçara também frutifica nesta época, atraindo várias espécies de aves, principalmente o tucano que, ao alimentar-se, dispersa sua semente.

“O ipês também frutificam logo após a florada, mas seus frutos são pequenos e secos, dispersados pelo vento e não servem para a alimentação”, finaliza o professor. 

JCNET - Marcele Tonelli