Enfeitar a casa ou o local de trabalho com flores é mais uma questão de hábito do que de gasto

Flores de corte ajudam a embelezar e trazer harmonia

Mais que apenas decoração, o uso de flores de corte, ou seja, as chamadas flores de vasos, remete à sensação de bem-estar e até mesmo de higiene -- uma vez que para mantê-las é necessária dedicação para não ficarem feias ou malcheirosas. Mas, será que qualquer pessoa pode deixar a casa mais florida dentro de um orçamento compacto? Sim, pode. E, ao contrário do que muitos imaginam, não somente “casas de revistas” podem ser decoradas com flores: há opções de acordo com cada espaço, seja ele grande ou pequeno.

Quem dá as dicas é o designer floral Fernando Augusto Acosta Brochieri, da Maria Marier Design em Flores, que explica haver flores a preços para todos os bolsos -- além do que, se formos avaliar, gasta-se muito mais com tantas outras coisas. Segundo ele, enfeitar a casa ou o local de trabalho é mais uma questão de hábito do que de gasto. Além disso, ele explica que para quem não quer ou não pode trocar as flores semanalmente, há tipos com durabilidade de até 15 dias. No inverno elas também tendem a durar mais, explica.

De acordo com Fernando, “uma casa enfeitada com flores transmite para seus moradores e também aos visitantes uma sensação de bem-estar, de um local bem arrumado com carinho. E essa energia positiva reflete também na nossa busca por melhor qualidade de vida”.

Mas, como saber o que fica bem, especialmente numa casa? Fernando Brochieri ensina que primeiro é preciso observar o tamanho do ambiente, bem como do imóvel onde irá ficar o vaso com flor. Como exemplo, ele cita que sobre uma mesa na sala de jantar onde haja um lustre grande, o ideal é colocar um arranjo baixo, com vaso também baixo. Já num aparador, pode-se colocar um arranjo maior. Numa mesa de canto, assim como num lavabo, um simples vasinho com uma flor, já faz toda a diferença.

Após a definição do estilo da decoração, Fernando Brochieri atenta que há flores mais indicadas para o padrão que se busca. Num vaso pequeno, por exemplo, ele recomenda utilizar um maço de astromélia. Ou, se preferir flores maiores, utilizar então apenas uma haste, como de lírio. Mas quem desejar um arranjo mais sofisticado não vai precisar, necessariamente, de muitas flores, sendo possível um resultado requintado com poucas unidades, desde que se destaquem.

Para mostrar como isso é possível, Fernando fez um arranjo com um maço de astromélia, algumas hastes de lírios e um maço de rosas, misturados a galhos secos e a “dedinhos de anjo” -- que são os galhos cor-de-rosa, cuja textura é aveludada. Um sinal de que o arranjo ficou bonito é vê-lo como se fosse um buquê.

Quanto à coloração das flores, Fernando Brochieri atenta que no Verão é permitido misturar diversas cores, enquanto no Inverno o mais indicado é optar pelas cores mais neutras -- mais “quentes”.

Porém, para quem desejar saber como decorar qualquer ambiente com flores de corte, o designer floral faz consultoria, explicando o que fica melhor para cada local, bem como ensinando a fazer os arranjos -- e como cuidá-los.

Manutenção

Além de todo aspecto harmonioso proporcionado pelas flores, outro fator bem positivo é que suas manutenções são básicas, bastando trocar suas águas diariamente ou em dias alternados.

Para a boa conservação da flor, atualmente existe também um conservante em pó, que pode ser diluído num litro de água, a ser utilizada em cada troca. Ou se preferir, há ainda o conservante em líquido, vendido na embalagem de um litro, mas que diluído produz até 30 litros.

Outra dica importante é que, à cada troca de água deve-se cortar, em diagonal, aproximadamente dois centímetros do caule.

Adriane Mendes